• 20 de outubro de 2021
  • Nova Roma do Sul

Governo do RS envia projeto de privatização da Corsan à Assembleia Legislativa

Além da venda, outro projeto institui a regionalização dos serviços da Companhia Riograndense de Saneamento. Matérias tramitam em regime de urgência e devem ser votadas em agosto.

O governo do Estado enviou na segunda-feira (12), os projetos de lei que tratam da privatização da Companhia Riograndense de Saneamento (Corsan) e da regionalização do saneamento básico no Rio Grande do Sul à Assembleia Legislativa. Os textos foram encaminhados em regime de urgência e devem ser apreciados após o recesso parlamentar.

A proposta sobre a privatização autoriza o Estado a alterar a composição social da Corsan e estabelece o formato pelos quais será realizada a mudança societária. O projeto de regionalização cria a primeira Unidade Regional de Serviços de Saneamento Básico Central, composta por 307 municípios. Entre os objetivos da Unidade Regional, está garantir a universalização dos serviços, gerar ganhos de escala e assegurar a viabilidade técnica e econômica-financeira da operação.

Em reunião com deputados da base aliada, o secretário-chefe da Casa Civil, Artur Lemos Júnior, esclareceu que os municípios serão divididos em blocos. “Um novo projeto com esses agrupamentos será protocolado até o fim da semana”, acrescentou.

O secretário do Meio Ambiente e Infraestrutura, Luiz Henrique Viana, acrescentou que a regionalização do saneamento básico foi uma necessidade trazida pelo novo marco do saneamento. “A proposição do Poder Executivo foi construída a partir de estudos técnicos e de um amplo debate com a sociedade. O modelo visa garantir a viabilidade da universalização do saneamento e a uniformidade dos serviços prestados, garantindo o atendimento a todos os municípios”, disse.

O governo também protocolou nesta segunda (12) projetos que tratam de contratações emergenciais para o Instituto-Geral de Pericias (IGP) e Fundação Orquestra Sinfônica de Porto Alegre e proposta que trata de reajuste do vale-refeição dos servidores estaduais.

Todos os projetos precisam de 28 votos para serem aprovados.

Facebook Comentarios

Artigos relacionados