• 20 de outubro de 2021
  • Nova Roma do Sul

Farroupilha deve receber cerca de R$ 514 milhões em investimentos com concessão de rodovias

Em audiência pública promovida pela Câmara de Vereadores de Farroupilha, a secretaria de Planejamento (seplan) e a Associação de Engenheiros e Arquitetos (Afea) apresentaram as obras previstas para Farroupilha pelo Governo Estadual com a implantação de pedágios na Serra.

Conforme explanação da equipe técnica, com a concessão das rodovias, o Governo do RS prevê a instalação de rótulas de acesso, passarelas, duplicações e alargamentos das rodovias. Porém a Secretaria aponta problemas de fluidez no trânsito para os próximos anos, principalmente nas áreas que cruzam o perímetro urbano.

O investimento total previsto para Farroupilha será de R$ 514 milhões, entre as obras tratadas, há a duplicação da RSC 453 entre Farroupilha e Bento Gonçalves, rótulas de acesso nas linhas São Miguel e Burati; e para a rua Raineri Petrini;  correção no traçado da RS 122, trecho conhecido como curva da morte, duplicação de parte da RS 122 entre Farroupilha e São Vedelino, elevadas nos acessos a Pedro Grendene e à Linha Julieta, entre outros. Além da manutenção e acostamento de toda faixa de domínio da concessão.

A Audiência foi proposta pelo vereador Gilberto do Amarante que expos o trabalho de uma Frente Regional de Vereadores, a qual apresenta as cartelas de obras oferecidas pelo Estado em cada município.

Amarante comentou sobre a possibilidade da criação de um grupo local que trabalharia de forma consultiva e acompanharia a execução das obras junto à empresa vencedora da concessão.

“A ideia é montarmos um conselho  em que os municípios possam ter o poder inclusive para parar a cobrança nas cancelas caso a as empresas ganhadoras não cumprirem com as obras conforme está no contrato. Então, esse conselho seria formado por entidades da sociedade civil organizada, Câmara de Vereadores e técnicos especializados. A gente sabe que o Estado não tem gestão, principalmente nessas questões. Então, o que dê para os municípios, que ceda essa questão, e que os técnicos para que nós possamos fazer o acompanhamento e fiscalizar as obras”, disse.

A posição do vereador vai ao encontro do deputado Pompeo de Mattos que entende a necessidade de avaliar as obras propostas bem como o tempo para sua implantação e a conveniência dela para a população que a circunda.

Representando a Amesne, o presidente Fabiano Feltrin alertou não haver um estudo preliminar referente a possibilidade de entraves de obras, como problemas ambientais, invasões entre outros.

Já a Deputada Francis Somensi ressaltou a importância da audiência em nortear as ações quistas pela comunidade uma vez que a concessão será de 30 anos.

Facebook Comentarios

Artigos relacionados