• 28 de outubro de 2021
  • Nova Roma do Sul

Dia Nacional de Combate ao Fumo (29 de Agosto)

Livrar-se desse vício protege a sua saúde e a de quem você ama!

O Dia Nacional de Combate ao fumo foi criado em 1986 pela lei Federal nº7488 com a finalidade de reforçar as ações nacionais de sensibilização, conscientização e mobilização para os danos e prejuízos ocasionados pelo uso do tabaco. Hoje, o tabagismo é considerado a principal causa de morte evitável em todo mundo, subsequente ao tabagismo ativo e o consumo excessivo de álcool.
De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS) o seu consumo provoca por ano, a morte de 5 milhões de pessoas no mundo, o que corresponde a mais de 10 mil mortes por dia.
No Brasil, os números também são alarmantes. Segundo dados do Instituto Nacional de Câncer (INCA), estimam-se que, a cada ano, 200 mil brasileiros morram precocemente devido às doenças originadas pelo tabagismo, como: câncer de pulmão (90%), doença coronariana ( 25%), doença pulmonar obstrutiva crônica (85%) e doença cerebrovascular (25%).

Lei que promove a saúde de quem não fuma

Aprovada desde abril deste ano pela Assembleia Legislativa de São Paulo, a lei antifumo que prevê a proibição do consumo de cigarros e derivados de tabaco em áreas fechadas de uso coletivo está se expandindo para outros Estados, como Rio de Janeiro, Goiás, Bahia, Paraná e Rio Grande de Sul. A lei tem como objetivo proteger a saúde dos fumantes passivos, em especial a saúde dos trabalhadores que estão expostos frequentemente à fumaça do cigarro.
Segundo o INCA, o fumante passivo tem um risco 23% maior de desenvolver doenças cardiovasculares e 30% mais chances de ter câncer de pulmão. Para a diretora executiva da Aliança de Controle ao Tabagismo do Brasil (ACT BR), a socióloga, Dra Paula Johns, a lei antifumo também tem como intuito diminuir os gastos com o tratamento do fumante passivo.
“Ao fazer com que o fumante ativo diminua o número de cigarros consumidos estaremos também contribuindo para a saúde daquele que não fuma e que não querem fumar passivamente. *Alguns estudos já realizados em países onde a lei já está em vigor há mais tempo, comprova uma diminuição nas doenças provocadas pelo cigarro. Em São Paulo esses dados já estão sendo monitorados” explica a socióloga.
*Pesquisa realizada na Itália comprovou que houve uma redução de 11% de infartos em pessoas com idade entre 35 a 64 anos após a proibição de fumar em lugares de uso coletivo.

Custos e prejuízos do consumo de tabaco para a saúde

O tabagismo ocasiona uma perda mundial de 200 bilhões de dólares por ano. Conforme estimativas do Banco Mundial, este é o resultado da soma de vários fatores, como o tratamento das doenças relacionadas ao tabaco, mortes de cidadãos em idade produtiva, maior índice de aposentadorias precoces, entre outros. Para o Ministério da Saúde, o poder público gasta com o tratamento de fumantes, 2 vezes mais do que se arrecada com impostos pelo cigarro.
  • Estima-se que 22,4% da população brasileira fume, sendo que o preço do cigarro brasileiro é o sexto mais barato do mundo.
  • O cigarro provoca um prejuízo anual para o sistema público de saúde de, pelo menos, R$ 338 milhões, o equivalente a 7,7% do custo de todas as internações e quimioterapias no País.
  • Quase 8% dos gastos do sistema vão para doenças associadas ao cigarro e são disponibilizados para hospitalizações e tratamentos quimioterápicos em pacientes de 35 anos ou mais, vítimas de 32 doenças comprovadamente relacionadas ao tabagismo.

Quero parar de fumar. Como devo fazer?

A medicina hoje conta com diversas opções de tratamento para quem deseja parar de fumar:
  • Medicamentos específicos que atuam sobre a vontade de fumar.
  • Terapia de reposição nicotínica (TRN) por meio de gomas de mascar e adesivos transdérmicos.
  • Terapia cognitiva comportamental, com foco na cessação do tabagismo.
A associação destes recursos terapêuticos têm se mostrado o método mais eficaz para o tratamento. No entanto, antes de iniciá-los é aconselhável que um médico especialista da área seja consultado, avaliando assim o seu caso individualmente.
” Aquele que deseja para de fumar deve estar determinado a fazer essa mudança em sua vida. Marque uma data para parar de fumar e antes disso, vá reduzindo o número de cigarros consumidos. Este é um momento que é muito importante pedir ajuda e deixar que as pessoas lhe ajudem. Não tenha vergonha de procurar auxilio de um especialista e um terapeuta para lhe apoiar nessa fase de abstinência. Com certeza, todo esse processo será menos doloroso possível” finaliza Dra. Paula.

Facebook Comentarios

Artigos relacionados