• 20 de outubro de 2021
  • Nova Roma do Sul

Brasil não terá horário de verão em 2021

O Ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, descartou a volta do horário de verão, extinto desde 2019 pelo presidente Jair Bolsonaro.

“O horário de verão não foi renovado em 2019 e permanece da forma como está”, disse o ministro.

A declaração foi dada nesta quinta-feira (28) durante a inauguração da termelétrica GNA I, no Porto do Açu, em São João da Barra, no Norte Fluminense.

O horário de verão tinha voltado ao debate neste mês de setembro, após o Ministério de Minas e Energia (MME) pedir ao Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) — órgão responsável pela coordenação e operação do sistema elétrico brasileiro — um novo estudo sobre a medida, diante da “atual conjuntura de escassez hídrica”.

Bento Albuquerque afirmou que a produção de energia feita na térmica do Porto do Açu é a que deve se expandir no país.

“A geração aqui, do Porto do Açu, é bem mais barata que as termelétricas estão utilizando. Então esse é o tipo de empreendimento que nós queremos. Esse tipo de empreendimento que nós vamos ter no leilão de reserva de capacidade que vamos realizar. É isso que estamos buscando para que o consumidor brasileiro não tenha só segurança energética, como tarifas mais baratas”, afirmou o ministro.

A térmica GNA I é a segunda maior do Brasil. Com capacidade de atender 6 milhões de casas, a usina começou a operar no último dia 16. O investimento total para a construção da estrutura foi de USD 1 bilhão. A energia produzida no local é a partir do gás natural. Um recurso considerado mais limpo e barato.

GNA I é a segunda maior termelétrica do Brasil e fica localizada no Porto do Açu, em São João da Barra, no RJ — Foto: Divulgação

GNA I é a segunda maior termelétrica do Brasil e fica localizada no Porto do Açu, em São João da Barra, no RJ — Foto: Divulgação

“30% da nossa energia é gerada através da recuperação do vapor, gerado a combustão a gás. É uma das térmicas mais eficientes do mundo. Então o nosso custo de energia é muito mais barato que as outras térmicas”, avaliou o diretor-presidente da GNA, Bernardo Perseke.

Na cerimônia foi anunciada ainda a construção de uma nova termelétrica no complexo do Açu, a GNA II. A usina deve ser maior do que a que já está em funcionamento e vai fornecer energia para 14 milhões de casas. A previsão é que seja entregue em 2024.

Com 1.672 MW de capacidade instalada e previsão de mais de R$ 5 bilhões em investimentos, o empreendimento prevê a geração de mais de 5,5 mil empregos diretos no pico da construção, com prioridade para a mão de obra local.

Facebook Comentarios

Artigos relacionados